Seis dicas para economizar na compra de brinquedos para as crianças

Seis dicas para economizar na compra de brinquedos para as crianças

Comprar um brinquedo para uma criança é um gesto simples de carinho, mas precisa ser planejado para não complicar as finanças. Toda despesa feita sem preparo e por impulso pode acabar prejudicando o pagamento de contas rotineiras, como a mensalidade da escola dos próprios pequenos. Por isso, estabelecer limites e não tornar o ato de presentear um hábito são medidas importantes para não se atrapalhar nos gastos e manter o orçamento em ordem.

— Quando meu filho era pequeno, eu sempre buscava dar brinquedos apenas em datas festivas e inevitáveis, como Dia das Crianças, Natal e aniversário — conta a jornalista e roteirista Izaura Barbosa, de 52 anos, integrante do time de “caçadores de ofertas” do “Qual oferta“, plataforma dos jornais EXTRA, O Globo e Expresso que reúne, no impresso e no digital, as melhores promoções de supermercados, drogarias e lojas de departamento de Rio e Grande Rio.

Veja, abaixo, as dicas da planejadora financeira Rosielle Pegado para economizar na compra de brinquedos para as crianças.

Determine um teto para os gastos

De acordo com Rosielle Pegado, é importante que a família avalie a própria realidade financeira e, a partir disso, estabeleça uma quantia limite para gastar na aquisição de brinquedos.

—  Se o presente desejado tiver valor muito alto, uma saída é juntar o dinheiro por mais tempo e fazer a criança entender que ela vai precisar esperar, devido a outras prioridades — recomenda: — Quando os pais compram algo sem avaliar o orçamento, o filho acredita que também pode fazer isso, o que é pessimo para a educação dos pequenos.

Converse com a criança antes de sair às compras

Deixar as crianças em casa e adquirir o item mais em conta da loja pode até ser a forma mais fácil de economizar na compra de brinquedos, mas não é a mais correta. O ideal é aproveitar a oportunidade para dar aos pequenos uma aula de educação financeira.

Leia ainda:

— O que a criança quer deve ser valorizado. Se o brinquedo pedido for muito caro, é preciso mostrar a realidade a ela e fazê-la refletir. A partir da idade em que já sabem contar, por volta dos 6 ou 7 anos, as crianças já podem participar do orçamento da família e conhecer as prioridades. Assim, elas vão aprender a esperar e refinar escolhas e, com isso, crescerão mais responsáveis — diz a planejadora financeira Rosielle Pegado.

Conversando com os pequenos antes de sair de casa, não há problema em levá-los às compras. Mesmo que, na hora de colocar o produto no carrinho, eles façam birra e queiram mudar o acordo feito, não há motivo para se preocupar com a despesa. Basta o adulto manter o controle da situação.

— É só dar chance de escolha à criança novamente: a compra é ou aquilo que foi acordado ou nada — ensina Rosielle.

Pesquise preços e avalie o histórico

Segundo Rosielle Pegado, não pesquisar os preços pode fazer uma compra custar de 30% a 80% mais caro. É importante comparar valores dos brinquedos em lojas físicas e na internet, considerando o frete, e desconfiar de pechinchas — o produto pode ser falso ou não ser testado pelo Inmetro.

— Também deve-se ter o cuidado de avaliar o histórico dos preços. Às vezes, a gente acha que está barato, mas quando olha o histórico, percebe que não está — ressalta.

No comércio online, se o preço do item desejado estiver mais alto do que se pode pagar, a dica da planejadora financeira é cadastrar alertas para ser avisado sobre promoções.

Pague à vista e peça descontos

A vantagem de comprar em lojas físicas é a possibilidade de negociar preços e pedir descontos. Para aumentar o poder de barganha, pagar à vista é essencial.

— Quem tem dinheiro na mão pode escolher onde comprar e fechar negócio com o estabelecimento que der maior desconto — destaca Rosielle Pegado.

Não compre na última hora

A planejadora financeira é categórica: nunca deixe as compras para última hora. Quem não se programa acaba gastando mais, porque não consegue tempo para pesquisar preços e fica à mercê de opções reduzidas.

— Além disso, o estresse faz a gente querer levar qualquer coisa. É assim que se toma decisões erradas e se paga caro demais por um produto — afirma.

Adquira um brinquedo simples e complemente com uma experiência

Uma maneira de economizar na compra de brinquedos é investir em um item simples, que custe pouco, e complementar o presente da criança com uma experiência, como um passeio.

— Não faz muito sentido encher a criança de brinquedos caros se não se tem tempo de ficar com ela. Às vezes, ela só quer atenção — diz a planejadora financeira Rosielle Pegado.

Fonte: O GLOBO