Segurança: 11 dicas para evitar golpes virtuais durante a pandemia

Segurança: 11 dicas para evitar golpes virtuais durante a pandemia

A pandemia do novo coronavírus restringiu a circulação de pessoas, como medida de precaução. Com isso, elas acabam utilizando mais a internet, tanto para lazer, quanto para compras. Os internautas acabam fazendo pedidos online, aderem aos canais digitais de instituições financeiras e procuram por mais informações sobre a crise atual. Hackers e fraudadores se aproveitam desse momento de incerteza para realizar diversos golpes virtuais, por meio de notícias e ofertas falsas.

Entre os golpes virtuais mais comuns neste período, está a fraude do “falso motoboy”. Nessa situação, os criminosos fingem ser seu banco, para comunicar transações suspeitas realizadas com seu cartão de crédito. Com isso, eles enviam uma pessoa para recolher o cartão, que acaba sendo roubado.

De acordo com o laboratório de segurança digital da PSafe, outra fraude muito realizada é a do auxílio emergencial. Os hackers criaram links e aplicativos falsos relacionados ao subsídio que será entregue pelo governo federal às famílias afetadas economicamente pelo isolamento social.

As vítimas recebem uma mensagem falsa, dizendo que é possível sacar a quantia imediatamente após preencher algumas informações. O link enviado contém três questões: “Você recebe Bolsa Família?”, “Você é autônomo?” e “Você quer receber o auxílio?”. Depois de enviadas as respostas, aparece uma mensagem dizendo que o benefício foi aprovado, mas que antes é necessário enviar o link para seus contatos no WhatsApp. Com isso, as pessoas que acessarem a URL terão seus dados roubados.

O superintendente de engenharia de produtos da Tecnobank, Isaac Ferreira dá algumas dicas, para ajudar os internautas a evitar esses golpes virtuais durante a pandemia.

– Se durante uma conversa com um representante de uma empresa você ficar em dúvida sobre a veracidade de uma mensagem ou um conteúdo, interrompa a operação e entre em contato com o Serviço de Atendimento ao Consumidor da instituição.

– Caso você vá fazer o saque do auxílio emergencial, lembre-se que somente a Caixa Econômica Federal está fazendo a distribuição desse reforço, pelo aplicativo chamado Caixa TEM.

– Evite clicar em links de mensagens com ofertas de brindes, prêmios e benefícios. Além disso, não acesse hyperlinks que disponibilizam atualização de seus dados cadastrais nas instituições financeiras.

– Quando for realizar alguma compra ou um cadastro, só coloque seu nome, CPF, endereço e número de cartões se for na página de uma empresa conhecida.

– Verifique se o site tem a sigla “https” no endereço da web, o que significa que a comunicação é criptografada, aumentando a segurança na transmissão dos dados. Veja também se há um ícone com referência a um cadeado na parte inferior do navegador.

– Quando for compartilhar mensagens, verifique se a informação é verídica e se os links são confiáveis.

– Outra maneira de se manter seguro é utilizar programas que detectam phishing (roubo de dados) em aplicativos de mensagem e redes sociais.

– Caso uma pessoa ligue dizendo que irá recolher seu cartão para tratar de algum problema, desconfie. Os bancos não costumam enviar funcionários para fazer esse trabalho. Portanto, nunca entregue seu cartão à outra pessoa ou mesmo envie pelos Correios.

– Além disso, os bancos não costumam entrar em contato por WhatsApp para negociar dívidas. Normalmente, você precisa ir até a instituição para conversar sobre isso.

– Uma dica é alterar suas senhas, de tempos em tempos, para evitar ser hackeado. Outra maneira de verificar se está seguro é utilizando o programa de checagem do Google. Ele investiga regularmente suas senhas e avisa caso uma delas esteja sendo usada ou tenha sido “vazada”.

– Não forneça códigos recebidos por SMS a desconhecidos no WhatsApp. Se você enviar essas mensagens, a pessoa terá acesso ao seu aplicativo e pode utilizá-lo para realizar golpes em amigos e familiares.

Fonte: 33 GIGA