Investimentos em imóveis: a volta por cima

Investimentos em imóveis: a volta por cima

Depois de um forte período de valorização dos preços dos imóveis, algo que perdurou durante os últimos anos da década anterior e foi até meados de 2012, o mercado imobiliário, a partir de então, passou por um desaquecimento considerável. Nesse último período destacado, houve queda do valor dos aluguéis e do valor de mercado dos próprios imóveis.

No entanto, desde o início de 2017, o mercado vem dando sinais de tímida recuperação, levando especialistas a apontarem para uma volta por cima ainda em 2018. Frente a esse cenário, muitas dúvidas têm surgido quanto às principais vantagens e desvantagens de destinar algum capital para a aquisição de imóveis.

Pensando nisso, traremos uma análise sobre as perspectivas para investimento em imóveis para os próximos períodos. Abordaremos as dimensões de risco e os principais sinais de recuperação do mercado. Acompanhe!

Recuperação do mercado imobiliário

Alguns números observados desde o início de 2017 apontam para uma incipiente recuperação de todo o mercado imobiliário. Alguns relatórios da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) dão conta disso. Confira alguns dados:

  • em 2017, foram lançados mais de 73 mil empreendimentos imobiliários em todo o país. Esses números podem ser comemorados, pois representam um crescimento de quase 15% em relação ao ano anterior, 2016;
  • segundo o mesmo relatório, o ritmo de vendas de unidades imobiliárias também cresceu, com aumento de 20% em 2017 em relação a 2016;
  • na cidade de São Paulo, território que concentra parte significativa do capital imobiliário do país, em 2017, os lançamentos de novas habitações cresceram 11% em relação a 2016.

Somada a esse quadro, tivemos uma queda significativa da taxa básica de juros, o que tornou os financiamentos imobiliários um pouco mais acessíveis ao longo dos últimos meses. Além disso, o programa do Governo Federal, Minha Casa Minha Vida, passou por mudanças importantes, como a ampliação das faixas de renda para subsídios, aquecendo o mercado.

Pelas novas regras do programa, as faixas 1 e 2 (renda familiar de até R$ 4.000,00) tiveram uma ampliação do crédito disponível, um incremento que chegará a quase R$ 9 bilhões. Isso permitirá que mais famílias com baixa renda possam conquistar o sonho da casa própria.

De forma mais ampla, sem nos apegarmos a fatores conjunturais, podemos listar as seguintes vantagens para o investimento em imóveis:

  • possibilidade de altíssima rentabilidade ao investir em terrenos e imóveis nas regiões em crescimento;
  • investimento seguro, desde que realizado dentro dos parâmetros legais;
  • obtenção de renda por meio de aluguéis;
  • proteção contra a inflação.

Riscos do investimento em imóveis

Embora os números apresentados possam indicar um 2018 promissor, o investimento em imóveis é cercado de incertezas. Primeiramente, devemos apontar para um alto risco de depreciação dos empreendimentos. Isso porque, ainda que o cenário nacional possa apresentar alguma retomada, o investimento nessa área deve ser analisado a partir de uma dinâmica local, instância na qual inúmeros fatores exercem influência.

Estamos falando de questões como localização, oferta de serviços e indicadores de criminalidade, entre outros. De tempos em tempos, o comportamento desse conjunto de variáveis pode variar bastante, levando à valorização ou depreciação do investimento. Isto é, não há grandes certezas quanto ao futuro desse tipo de aplicação.

Há também a questão dos custos com despesas fixas dos imóveis, IPTU, condomínio e manutenção são as principais. Na ocasião de se alugar o imóvel, há de se pensar também no risco de inadimplência.

Fique atento, principalmente, às incertezas de empregar seu capital no atual mercado imobiliário. Como você pôde acompanhar, são muitas oscilações.

Quer ver outros conteúdos como este? Acesse o portal de educação financeira e previdenciária da OABPrev GO/TO, o Futuro em Dia!