Especialistas apontam que políticas públicas, cuidados mentais e físicos são fundamentais para o envelhecimento saudável

Especialistas apontam que políticas públicas, cuidados mentais e físicos são fundamentais para o envelhecimento saudável

Envelhecer de forma saudável requer medidas que envolvem a sociedade, no entanto, o poder público exerce influência fundamental no oferecimento de políticas públicas. O G1 apurou quais são as principais ações oferecidas para idosos nos municípios de Bom Despacho, Divinópolis e Itaúna. Duas psicólogas e um médico reforçam a importância dessas políticas e ainda falam de questões primordiais para viver bem na terceira idade.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil será o 6º país com maior número de idosos em 2025, ou seja, o número populacional desta faixa etária vem aumentando consideravelmente. Em decorrência deste fator, cada vez mais a ciência caminha para aumentar a longevidade e a expectativa de vida. Por isso, especialistas apontam que toda atenção e suporte são necessários à população idosa.

“Mais do que isso, precisamos nos organizar para promover qualidade de vida a essas pessoas. De que adianta chegar à velhice se sentindo inútil, solitário ou sendo um peso para a família? As políticas públicas para idosos são ferramentas de empoderamento e vitalidade”, disse a psicóloga Cristiane Nogueira.

Amanda Paz Amaral também é psicóloga e na universidade desenvolveu alguns artigos sobre a velhice. Nos trabalhos, ela pontua que nesta fase da vida ocorrem mudanças tanto biológicas quanto psíquicas. Por isso, ela diz que no âmbito político, vale ressaltar que os municípios são os principais responsáveis pela qualidade de vida de pessoas idosas.

“Envelhecer é um processo delicado e perpassa muitas questões. O processo de envelhecer aparece pouquíssimas vezes no discurso social e econômico, sendo assim, a efetivação das políticas públicas cria também possibilidades de fala e de escuta para essas pessoas. Nesse sentido, é importante que cada município se responsabilize e efetive ações para dar suporte a essa fase da vida”, destacou.

O médico Flávio Marcelino destaca que as políticas públicas são fundamentais para promover acesso de idosos de todas as classes sociais às atividades de integração.

“Sem políticas públicas direcionadas fica difícil a pessoa ter por si só, alimentação saudável, atividade física regular. Principalmente a parte social mais baixa, que é a maior parte da nossa população. Precisa sim, que o poder público tenha um olhar diferenciado, proporcionando academias ao ar livre e ambientes de integração para que a pessoa envelheça de forma saudável”, explicou.

Saúde mental

Com o envelhecimento aumenta também a vulnerabilidade a determinados transtornos psicológicos causados pelas alterações biológicas e sociais. Para Cristiane, a velhice é uma fase que apresenta altos riscos para o adoecimento mental. Assim, ela aponta que o processo deve ser vivenciado com autonomia, reconhecimento de direitos, segurança, dignidade, bem-estar e, sobretudo, saúde.

“São importantes neste caso, que ocorram dentro das políticas públicas, intervenções de prevenção a transtornos mentais em idosos, o que é essencial na redução de risco de surgimento de transtornos como depressão, ansiedade e suicídio”, reforçou.

Para melhorar a saúde mental do idoso, primeiramente deve haver estímulo ao cérebro para que ele se mantenha ativo. Segundo Cristiane, as funções cerebrais também diminuem com o tempo e, assim como ocorre com o corpo, elas podem ser preservadas e recompostas por meio da ginástica cerebral.

Além do enfraquecimento mental e físico, com a velhice a conivência com outras pessoas, seja da mesma faixa etária ou não, também é reduzida. Por isso, a atenção quanto aos relacionamentos cotidianos é fundamental, como enfatiza a psicóloga.

“A rede de apoio e a convivência são fatores que podem dar ânimo e sentido de vida. Os laços afetivos são essenciais ao ser humano e nessa fase do desenvolvimento humano, em que há perdas e lutos, isso é imperativo. Conviver é vital”, reforçou Cristiane.

Conheça as políticas públicas disponíveis em três cidades do Centro-Oeste

Divinópolis

Em Divinópolis, a Secretaria Municipal de Assistência Social, através do Centro de Convivência do Idoso, oferece diariamente atividades como basquete, ginástica, relaxamento, artesanato, bingo e bate-papo para pessoas idosas, sempre das 8h às 11h, de segunda a sexta-feira.

“Os serviços oferecidos pela Secretaria Municipal de Assistência Social tem como objetivo promover o fortalecimento de vínculos e desenvolvimento de novas habilidades, além de contribuir para melhoria da qualidade de vida dos usuários”, afirmou o secretário de Assistência Social, Juliano Prado.

Os interessados em participar podem comparecer ao Centro de Referência de Assistência Social (Cras) da região e se inscrever no Cadastro Único para ser incluído no serviço.

Divinópolis conta com quatro unidades de Cras, localizados nos seguintes endereços: Rua José Santos Silva, 45, no Bairro Danilo Passos; Rua Pedro Ferreira do Amaral, 30, no Bairro Padre Libério; Rua José Afonso Micheline, 151, no Bairro Nossa Senhora das Graças; e Rua Cascalho Rico, 131, no Bairro São Miguel.

Centro de Convivência do Idoso em Divinópolis — Foto: Prefeitura de Divinópolis/Divulgação
Centro de Convivência do Idoso em Divinópolis — Foto: Prefeitura de Divinópolis/Divulgação

Centro de Convivência do Idoso em Divinópolis — Foto: Prefeitura de Divinópolis/Divulgação

Bom Despacho

Em Bom Despacho, mais de 80 idosos estão envolvidos em ações diárias oferecidas pelo Centro de Convivência do Idoso. Nele, são oferecidas atividades de segunda a sexta-feira, das 12h às 16h. Entre as atividades estão aulas de ioga, canto e musicalização, dança de salão, ginástica, alongamento e artesanato.

Além destas ações ainda são ofertadas atividades lúdicas como jogos de baralho, jogos de tabuleiro, desenho livre e bordado. O município também oferece transporte diário a cerca de 20 idosos que não têm condições de mobilidade.

Ainda conforme, a Prefeitura de Bom Despacho, no período em que os participantes estão no Centro de Convivência, oferece lanches balanceados, conforme orientações de um profissional nutricionista.

No município, a Prefeitura libera aos idosos acesso a espaços públicos e culturais, como Praça de Esportes e Sesc Bom Despacho. Além de promover passeios em sítios e chácaras na área rural.

Itaúna

O Centro de Convivência do Idoso em Itaúna vem ampliando o acesso dos idosos às políticas e espaços de promoção da cidadania. Com aproximadamente 1.060 usuários mensais, os idosos são atendidos no próprio núcleo e em outros 12 espaços cedidos para atividades em diversos pontos na cidade.

Itaúna conta também com o Conselho Municipal do Idoso, que é um órgão importante para validar as demandas, solicitações, leis e direitos desta população. Há também entidades parceiras da Prefeitura, que recebem subsídios e ofertam alternativas bem estruturadas para acolher idosos que não têm com quem ficar ou que muitas vezes não têm parentes vivos.

Na cidade, o Centro de Convivência do Idoso, está localizado na Rua Professor Francisco Santiago, 198, no Centro.

Centro de Convivência do Idoso em Itaúna oferece atividades de segunda a sexta-feira  — Foto: Prefeitura de Itaúna/Divulgação
Centro de Convivência do Idoso em Itaúna oferece atividades de segunda a sexta-feira  — Foto: Prefeitura de Itaúna/Divulgação

Centro de Convivência do Idoso em Itaúna oferece atividades de segunda a sexta-feira — Foto: Prefeitura de Itaúna/Divulgação

Centro de Convivência da Pessoa Idosa

Os Centros de Convivência da Pessoa Idosa têm como foco o desenvolvimento de atividades que contribuam no processo de envelhecimento saudável, no desenvolvimento da autonomia e de sociabilidades, no fortalecimento dos vínculos familiares e do convívio comunitário e na prevenção de situações de risco social.

O grupo tem por finalidade a prevenção de agravos que possam provocar o rompimento de vínculos familiares e sociais da pessoa idosa.

Para quem é o serviço?

O serviço é destinado às pessoas idosas com idade igual ou superior a 60 anos, que se encontram em condições de convivência grupal e com autonomia. Também atende:

  • Pessoa idosa e pessoas do Benefício de Prestação Continuada;
  • Pessoa idosa beneficiários dos programas de transferência de renda;
  • Pessoa idosa com vivência de isolamento.

Objetivos dos Centros de Convivência

  • Promover envelhecimento ativo, saudável e autônomo;
  • Assegurar espaço para encontros de pessoas idosas, promovendo convivência comunitária e familiar;
  • Desenvolver potencialidades e capacidades para novos projetos de vida;
  • Propiciar protagonismo social.

Quais atividades são oferecidas?

  • Físicas, esportivas e de lazer;
  • Oficinas de artesanato e de pintura em tecido;
  • Aulas de informática;
  • Passeios turísticos;
  • Salão de beleza;
  • Bailes;
  • Dança de salão;
  • Palestras;
  • Oficina terapêutica;
  • Informática e demais serviços disponíveis conforme o município onde o núcleo está instalado.

Fonte: G1