Coronavírus: 5 dicas para organizar as finanças com a crise

Coronavírus: 5 dicas para organizar as finanças com a crise

A crise econômica proporcionada pelo novo coronavírus (Covid-19) pegou muita gente de surpresa, e grande parte da população precisou mudar os hábitos e rotinas de trabalho. Inclusive, muitas empresas passaram a liberar o trabalho remoto para a equipe.

Claro, o mais importante nesse momento é cuidar da saúde pessoal. No entanto, como ficam as finanças dos profissionais autônomos e até mesmo dos formais? Afinal, grande parte das organizações reduziram os salários em 25% e, em alguns casos, 50%.

Nesse sentido, para quem adotou a quarentena ou segue trabalhando via home office, certamente teve a saúde financeira prejudicada. Por isso, separamos algumas dicas para que você consiga organizar as finanças e contornar a crise. Boa leitura!

Como organizar as finanças com a crise?

O efeito do isolamento é devastador para as finanças pessoais de grande parte da população. Aliás, se até mesmo os trabalhadores formais tiverem corte de salário, imagine os profissionais autônomos que encerraram as atividades durante a quarentena.

Pensando nisso, preparamos este post para auxiliar você a organizar as suas finanças pessoais durante a pandemia do Covid-19. Ficou interessado? Acompanhe!

1. Liste os seus ganhos e gastos

O primeiro passo para manter um controle financeiro é listar os seus ganhos e gastos, ou seja, fazer uma projeção de renda e despesas.

Uma boa dica é reunir holerites, comprovantes de pagamento, extratos bancários, faturas de cartão de crédito, boletos e carnês dos últimos meses. Com isso, em uma agenda ou planilha, liste os seus custos fixos, gastos adicionais e compras desnecessárias.

Ao analisar a fatura do cartão de crédito, por exemplo, você pode identificar gastos recorrentes, como roupas, fita de led e lanches da tarde, que não são tão necessários neste momento, não é mesmo?

2. Reduza os custos

Após listar as suas receitas e despesas, observe todos os custos fixos que podem ser reduzidos ou substituídos. Em alguns casos, você pode conversar com o proprietário do seu imóvel para reduzir o valor do aluguel, por exemplo, pelo menos durante a pandemia.

Caso a resposta seja negativa, você pode propor o pagamento da diferença, de forma parcelada, com o primeiro pagamento daqui uns 5 meses.

3. Reserva financeira

Nesse momento, a última opção é gastar todo o seu orçamento. Afinal, como podemos notar, situações inesperadas acontecem e pegam muita gente desprevenida.

Para quem pode fazer uma reserva financeira, é importante guardar o mesmo valor todos os meses, evitando pular um mês ou reservar menos do que tinha sido planejado.

4. Débitos automáticos

Para quem tem conta em banco, verifique todas as despesas que estão em débito automático. Na maioria dos casos, deixamos pacotes de internet, stand para eventos, TV, parcelas, entre outros fatores nesse meio de pagamento.

Dessa forma, para evitar que custos menores sejam debitados, ligue para as empresas correspondentes e analise a possibilidade de reduzir o valor da conta ou cancelar serviços não fundamentais.

5. Compras parceladas

Em meio a uma crise econômica, que é a principal responsável por proporcionar várias incertezas em relação ao orçamento, evite fazer compras parceladas, pois o cartão de crédito pode se tornar um grande desafio financeiro.

Caso seja necessário utilizar o cartão, evite parcelar gastos mensais, como a compra de cesta básica de alimentos ou produtos de saúde, por exemplo, considerando que no mês seguinte essas contas serão novamente a sua principal despesa.

Pronto para organizar as finanças?

Para contornar um momento de crise é fundamental ter as finanças organizadas. Nesse momento, é importante rever gastos e custos. Além disso, ficar atento as medidas governamentais pode contribuir na renda mensal.

Lembre-se de manter o controle financeiro, reduzir os custos e tomar muito cuidado com o cartão de crédito!

E você, o que tem feito para organizar as finanças em meio a crise? Conta pra gente!

 

Fonte: Contábeis