Como montar uma carteira de investimentos para a aposentadoria

Como montar uma carteira de investimentos para a aposentadoria

O investimento mais óbvio quando se pensa em poupar para a aposentadoria é a previdência privada. Mas ao contrário do que se possa imaginar, esse não precisa ser o único tipo de aplicação para essa etapa da vida do investidor. Pode ser benéfico contar com aplicações em outros tipos de ativos financeiros, de forma a diversificar a carteira de investimentos.

Seja para garantir a renda principal durante a aposentadoria, principalmente para autônomos e profissionais liberais, ou para complementar a renda da Previdência Social, investir para a aposentadoria é garantir uma segurança financeira para o futuro.

Quanto mais cedo começar a investir, melhor

Pensar que a aposentadoria está muito distante pode desmotivar investimentos com essa finalidade. Mas é importante saber que, quando se trata de aposentadoria, o quanto antes se começa a poupar, melhor. Isso porque, ao investir em longo prazo, mesmo os aportes pequenos fazem toda a diferença graças aos juros compostos.

Os juros são o acréscimo, em percentual, feito ao valor investido inicialmente. Uma vez acrescidos os juros, o total investido será maior. Considerando o caso dos investimentos de renda fixa com taxa de juros anuais, por exemplo: no segundo ano, os juros serão aplicados ao valor que já cresceu com os juros do primeiro ano, e assim em diante, fazendo com que o dinheiro cresça ao longo do tempo. Os aportes adicionais que são feitos pelo investidor potencializam ainda mais esse efeito.

Por que ir além da previdência privada
O motivo de se recomendar o investimento em outros ativos financeiros é gerar diversificação da carteira de aplicações. Diversificar quer dizer ter ativos com diferentes características em termos de rentabilidade e risco. Ao fazer isso, o investidor se resguarda de uma eventual perda. É como diz uma máxima do mercado financeiro: “não coloque todos os ovos na mesma cesta”. O fator que pode motivar a desvalorização de um ativo pode ser a causa de alta em outro, e a diversificação faz com que, na média, o investidor fique protegido dessas variações.

A importância da reserva de emergência no planejamento

Tão importante quanto a reserva para aposentadoria é a reserva de emergência. Quando não se tem nenhuma reserva, a primeira que deve ser construída é a de emergência. Isso porque, no caso de qualquer imprevisto financeiro, o investidor terá de dispor do dinheiro que ele tem guardado para não entrar em dívidas. Se a única reserva disponível for a de aposentadoria, lá se vai o dinheiro que seria a garantia para o futuro. Então, a reserva de emergência é também uma defesa para a reserva de aposentadoria, que não deve ser resgatada até que cumpra o seu objetivo, a aposentadoria do investidor.

Previdência privada: VGBL X PGBL
previdência privada serve principalmente como forma de complementar a renda, pois o seu rendimento não é dos mais altos. Porém, o investimento é dos mais seguros e tradicionais o fim de aposentadoria.

Ao decidir fazer o investimento em previdência privada, o investidor deve escolher entre um dos tipos oferecidos: Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) ou Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL). O VGBL é mais indicado para quem pensa também em planejamento sucessório, pois garante que, em caso de falecimento, os recursos sejam liberados aos herdeiros com agilidade, sem a necessidade de aguardar partilha,visto que o ativo não compõe o inventário. Também é indicado para quem é isento de Imposto de Renda, pois não tem abatimento. Caso o investidor não tenha preocupação com a sucessão ou faça a declaração completa do Imposto de Renda, o mais recomendado é investimento em PGBL, que permite abater até 12% da renda bruta tributável anual.

O plano de previdência pode ser escolhido em uma plataforma de investimentos, que irá apresentar cada opção com suas vantagens e características específicas.

Investimentos em renda variável são indicados para a aposentadoria?
Os investimentos em renda variável são os mais arriscados e, portanto, os que têm possibilidade de conseguir maior rentabilidade. Por isso, podem ser utilizados na carteira de investimentos de quem planeja a aposentadoria. Antes de investir em renda variável, o investidor precisa saber se esse tipo de investimento está de acordo com o seu perfil: se for um perfil arriscado ou moderado, o investimento de uma parcela da carteira pode sim ser investida nesse tipo de ativos. Para os conservadores, há outros ativos.

A vantagem da renda variável é que, com aportes menores, há possibilidade de ganhos maiores no longo prazo. Os investimentos em ações devem ser feitos em uma parcela compatível com o nível de risco tolerado por cada investidor, em conjunto com outros ativos, reduzindo o risco médio.

Como incluir investimentos em renda fixa no plano para a aposentadoria
Os investimentos de renda fixa, apesar de não serem os mais rentáveis, são indicados para o longo prazo, como para a aposentadoria. Eles podem fazer parte da estratégia de investimento em conjunto com renda variável, por exemplo, para balancear os riscos. Mas há ativos de renda fixa que são mais ou menos recomendados para a aposentadoria.

No caso de títulos do Tesouro Direto, o Tesouro Selic é mais indicado para o curto prazo, como para a reserva de emergência, e não é tão recomendado para a aposentadoria. Isto porque os demais ativos do Tesouro tendem a ter um rendimento superior no longo prazo.
Como para a reserva para a aposentadoria a liquidez não é uma qualidade necessária, a escolha dos títulos privados pode ser feita com base em rentabilidade estimada. Quando a liquidez é baixa, há tendência de encontrar ativos com rendimento maior, como compensação pelo tempo em que o investidor fica sem o dinheiro disponível. Considerando essas características, diversos ativos podem ser escolhidos, como CDB, LCI, LCA e RDB.

Plataformas de investimento costumam ter uma grande oferta de ativos de renda fixa privada. Então, quando a corretora oferece um suporte para o investidor, ele deve usar essa ajuda para obter todas as informações complementares sobre cada ativo e fazer a decisão mais consciente com seu dinheiro.

Fonte: Região Noroeste.Com