Ano novo, vida nova: 5 dicas para começar 2020 com as finanças em dia

Ano novo, vida nova: 5 dicas para começar 2020 com as finanças em dia

Diante do sucesso do primeiro mutirão de renegociação de dívidas , fruto de um acordo entre o Banco Central e a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), as duas instituições já  preparam uma nova edição da medida para 2020.

Mais de 820 mil pessoas participaram da chamada Semana Nacional de Negociação e Orientação Financeira na primeira semana dezembro, e o volume de dívidas renegociadas chegou a R$ 4,5 bilhões — com desconto médio de 65% e extensão dos prazos para quitação dos débitos, informou o Banco Central.

Durante o mutirão, 329 agências bancárias do Banco do Brasil, Banrisul, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú e Santander, em todos os estados do país, funcionaram em horário estendido, até às 20h, oferecendo renegociação dos débitos em atraso.

Para ter acesso ao benefício, os clientes precisaram assistir a um vídeo de educação financeira , com dicas de como organizar e equilibrar o orçamento doméstico. Nas agências, 560 mil pessoas assistiram ao conteúdo – e na internet, o vídeo foi visto mais de 173 milhões de vezes.

planejamento financeiro , que é uma das formas de fugir das dívidas e aproveitar mais o dinheiro, pode estar, junto com as dietas e prática de exercícios físicos, entre os desejos de início de ano de muitos brasileiros. Veja algumas dicas para alcançar esse objetivo:

1 – O diagnóstico

Em sites de instituições públicas e privadas e em redes sociais, há muitas ferramentas, cursos e dicas para organizar o orçamento familiar.

O planejamento financeiro é o primeiro passo para colocar as contas em dia, segundo o economista e professor licenciado da Universidade de Brasília (UnB), Newton Marques.

 “É colocar no papel tudo o que ganha no mês e o que gasta. Depois, tem que separar o que é dispensável, supérfluo, do que é indispensável”, disse.

Ele acrescenta que o ideal é projetar quanto se terá de renda ao longo do ano. “Se os gastos são maiores que a renda, tem começar a cortar o que não é indispensável. Tem que ter TV a cabo, gastar com celular, cada um ter um carro? Isso não é supérfluo. Se não tem onde cortar, é o mesmo que dizer que vai tomar dinheiro emprestado e pagar juros”, disse.

Fonte: O BOM da Notícia