5 dicas para driblar a alta do dólar e manter a viagem ao exterior

5 dicas para driblar a alta do dólar e manter a viagem ao exterior

O dólar chegou a mais de R$ 4,20, desceu a R$ 4,16 e depois recuou a R$ 4,08, no fechamento de quinta-feira (6), véspera do feriado de 7 de Setembro. Tudo na semana passada. Então, haja estômago para suportar tanta variação,a além da elevação do câmbio que afeta diretamente quem tem viagem marcada ou está pensando em curtir as férias ou fazer algum intercâmbio ni exterior.
O programa Finanças & Investimentos (#FIN) apresenta algumas dicas para tentar amenizar as altas, que ainda devem se manter, pelo menos até o desfecho da eleição e com as tensões na cena internacional, com as medidas de taxação impostas pelos presidente dos estados Unidos, Donald Trump, contra a China e atritos com a Turquia.
O educador financeiro Adriano Severo orienta sobre como fazer as compras da moeda até a viagem. Comprar de forma parcelada, neste caso, distribuídas em diversos meses até a data da partida pode contornar o maior impacto da alta. Severo também alerta que, mais do que nunca, é preciso fazer um roteiro claro de como será a viagem, estabelecendo um valor diário que pretende gastar.

Confira as dicas de Adriano Severo:

1. Quem tem viagem marcada para mais a frente ou está planejando fazer uma, como agir?
O ideal é comprar dólares em uma, duas ou três vezes. São várias pequenas compras. Para ter preço médio e não fique com valor total de agora. As altas da moeda são influenciadas pelas eleições no Brasil e o contexto internacional de guerra comercial. Ou seja, pode levar mais tempo para passar. Temos de ver o desenrolar dos fatos para descobrir se a moeda vai continuar a subir ou não.
2. Como fazer a compra de dólar em diversas vezes?
Faça compras em maior número possível. De preferência, em todos os meses até a data da viagem. Tanto faz quando vai viajar. Como fazer: pega o número total de dólares que vai precisar e divide pelo número de meses até a data da viagem e vai fazendo compras periódicas. Quanto maior o número de vezes melhor. E tem de torcer para que quando comprar a cotação esteja em queda. Se conseguir pegar alguma baixa, com a mesma quantidade de reais, consegue-se comprar mais dólares. Isso vale para euro e libras que têm maior valor e variam pelo dólar. Quando uma sobe a outra sobe, e vice e versa.
3. Quem ainda não marcou a viagem, adia ou mantém o plano?
Para quem ainda não comprou as passagens, é importante ficar ligado nas promoções. Normalmente, quando sobe muito a moeda, as companhais aéreas, acabam fazendo promoções logo depois. É interessante aproveitar.
4. Como agir para amenizar o efeito do dólar durante a viagem?
É importante, mais do que nunca, fazer um roteiro prévio da viagem, definido um valor diário que pretende gastar. Estabeleça um valor limite dos gastos, como US$ 100,00 ou US$ 150,00 ao dia. Monte o roteiro em cima dessa disponibilidade para não ter surpresas, como o dinheiro terminar antes da viagem acabar.
5. Vale a pena trocar a viagem internacional por uma doméstica? 
A viagem nacional pode sair mais em conta, pois a moeda é o rel e não o dólar. Mas tem de ficar atento ao preço das passagens, que podem subir devido ao impacto da variação do dólar nos preços do combustível usado nas aeronaves.

 

Fonte: Folha Nobre